sábado, 5 de outubro de 2013

Lia versus Raquel


A visão de Deus é sempre o melhor para nós

      Lia e Raquel, duas mulheres ligadas a um mesmo homem, Jacó. Quando lemos a história, a nossa tendência é torcer por Raquel, afinal era o grande amor de Jacó. Deixamos de lado, a vontade de Deus e a bem da verdade nem queremos saber o que Ele pensa sobre isso. Num primeiro momento vem a memória: "É lógico que Deus quer Raquel para Jacó! Deus quer vê-lo feliz e a felicidade dele está em Raquel e não em Lia". Quantas vezes não agimos assim nas nossas vidas. Deduzimos o que Deus pensa e seguimos adiante lutando e trabalhando por aquilo que Deus não quer para nós. Deus usa até "Labãos" como um alerta e quando não resolve, o próprio Deus revela em sinais o caminho da luz. No entanto, uma obstinação do inferno nos faz caminhar rumo ao errado, nos faz lutar por um amor falido.
      Lia era a vontade de Deus para Jacó. Raquel era a vontade permissiva de Deus ao patriarca. E quando Deus não quer algo para nós, pode saber que ele não erra, e não erra nem engana nunca. Posso imaginar como Jacó sofreu ao ver a disputa entre as duas mulheres e principalmente em constatar que Raquel, seu grande amor, era invejosa, ciumenta e o pior, tão distante do Deus de Betel.
      A diferença entre as duas mulheres era gritante. Lia era fértil, tinha a bênção de Deus. Raquel era estéril, literalmente amaldiçoada. Lia esperava em Deus. Raquel esperava no homem. "Dá-me filhos, senão eu morro!" Lembra?  Lia era bonita por dentro, uma adoradora. Olha os nomes que deu aos filhos! Nomes que revelavam que vivia aos pés do Senhor em orações. Raquel, um sepulcro caiado, uma idolatra, ladra e mentirosa. 
     Lia foi honrada por Deus. Era a esposa legítima, teve muitos filhos e até na morte, sepultada foi ao lado de Abraão, Sarah, Isaac, Rebeca e do marido, Jacó. Sem contar na herança maravilhosa da sua descendência para nós. JESUS, da tribo de JUDÁ. Filho de quem? Dela, Lia. Sinais para mim da mão de Deus sobre a vida dessa mulher.
     O corpo de Raquel, sempre honrada por Jacó,  jaz a beira de um caminho em Belém. Foi honrada por Jacó e ali uma coluna colocada em homenagem a ela. Deus teve misericórdia de Raquel, que se redimiu e orou ao Pai, e como Deus não rejeita orações deu a ela dois filhos.
   Essa história nos faz pensar sobre o pensamento de Deus para nós na hora das nossas escolhas. Precisamos atentar os ouvidos para a voz Dele e sempre, fechar os olhos carnais e abrir os espirituais. A visão do Pai é sempre o melhor!

Nenhum comentário:

Postar um comentário