segunda-feira, 8 de outubro de 2012

Sou eu, Senhor?


Na festa do cordeiro, nossas vestes precisam ter cheiro celestial, precisam ser "Reais", precisam brilhar de tão brancas. 

No livro de Mateus encontramos a parábola das bodas onde Jesus conta uma bela história. Depois de lê-la, me perguntei: "Sou eu, Senhor?" , "Sou eu, a pessoa que está sem as vestes corretas na sua festa?" E dentro daquela mesma palavra que postei aqui recentemente, perguntando se você está de pé, hoje, quero fazer uma reflexão e um desafio para você questionar a Jesus a mesma pergunta: "Sou eu, Senhor?"
Os dias passam tão rápido e não conseguimos fazer tudo o que precisamos. Ah, tanto a fazer! Mas, se você não dá conta dos seus afazeres, sem problemas. Se você não dá conta do seu trabalho, também sem problemas. Agora, quanto ao Reino de Deus não podemos ser negligentes. teremos que prestar  contas dos nossos atos muito em breve.
Amigos internauta, blogueiros parceiros, precisamos nos preparar para o grande dia! Não podemos chegar as bodas do cordeiro com vestes inadequadas, caso contrário seremos jogados fora no lugar onde há choro e ranger de dentes. Aqui, neste mundo, podemos enganar qualquer um. Diante do Pai teremos que nos apresentar imaculados. Aqui, podemos estar perfumados, belos por fora, no entanto podres e horríveis por dentro. Porém na festa do cordeiro, nossas vestes precisam ter cheiro celestial, precisam ser "Reais", precisam brilhar de tão brancas. Neste dia, se inadequados não teremos nem a oportunidade que Adão, Eva e Caim tiveram de falar com Deus, de se justificarem, porque na parábola fica claro que achado sem as vestes nupciais, ao ser questionado pelo Rei, o homem emudeceu. 
E aí, fiquei perguntando ao Senhor. -  Senhor, quem é este homem? Cheguei a pensar se não seria um anjo caído, mas não, este homem pode ser qualquer um de nós que nos descuidamos das coisas do céu e que apreciamos mais os tesouros da terra. Ou pior, pode ser qualquer um que dentro de uma igreja está cantando, está louvando, está orando, entretanto não vive a verdade. Essa pessoa vive no engano. Faz tudo certo como os religiosos da época de Cristo. Jejua, ora, prega a palavra, mas não vive o o que prega. A vida deles é cheia de rituais, de misticismo. Impera o engano. Sabe o que acho mais triste? Elas não procuram a verdade, não questionam se estão certas, querem continuar neste caminho falso.
Quero orar!
Senhor, abre os meus olhos, os meus ouvidos pois eu quero ver, quero ouvir, quando não estiver andando pelo seu caminho. Por favor, Espírito Santo, insista comigo quando eu me fizer de cega ou surda. Me perdoa, Senhor, sou tão negligente! Tenha misericórdia de mim! Te amo, Jesus!


Um comentário: